O maior espetáculo da terra!

Oi gente! Que pena, esta é a última semana de posts da nossa matéria COM104 e o semestre já está acabando! Mas não devemos nos preocupar, este blog terá continuidade e ainda vamos tratar sobre muitos outros temas ligados à moda, e claro, à comunicação e tecnologia! Para “fecharmos” com chave de ouro este semestre tão bacana, já trazemos um vídeo babado para vocês!

 

 

O tema da semana é Comunicação Organizacional, e, vinculando com a nossa vertente (Moda!), nada melhor do que falarmos sobre a Sociedade do Espetáculo. Segundo Gui Debord, “o espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas mediadas por imagens”. O teórico francês afirmava que nas sociedades onde reinam as modernas formas de produção (capitalismo), a representação é a causa e o efeito desejado nas interações sociais. É como se o espetáculo suprisse a necessidade do homem de preencher a vida cotidiana com signos fabricados pelos meios de comunicação de massa.

O “fetichismo da mercadoria”, a própria transformação do corpo em objeto de consumo, “o fabuloso mundo das celebridades”, enfim, tudo é transformado em grande show.

Complementando, no artigo “A imagem da moda muito além da sociedade do espetáculo” de Jociele Lampert, ela diz que “o sistema estético da moda torna-se alvo de apresentações complexas, pois personificam significados que emergem por meio de interpretações com relação do objeto que é representado e sua representação na sociedade – a imagem da moda produz manobras que conduzem a padrões de beleza idealizados e estereotipados. Por meio do inter- relacionamento da imagem da moda com as artes visuais, ou seja, entre a cultura de massa e a arte, novos significados poderão surgir.”

Na coleção Outono Inverno 2014 da semana de moda de Paris, a Dior arrasou com uma decoração de nada menos que 150 mil orquídeas revestindo do chão ao teto os ambientes do Museu Rodin de Paris. Há 2 anos atrás, a marca lançou uma coleção de Outono Inverno com a mesma ideia de flores, mas de várias espécies (rosas, orquídeas, peônias e dálias). Veja abaixo algumas fotos e um vídeo dos bastidores de 2012.  Saiba mais.

Fonte: Blog Andrea Rudge

Fonte: Blog Andrea Rudge

Fonte: Blog Andrea Rudge.

Fonte: Blog Andrea Rudge.

 

Outra marca que bombou na temporada de desfiles de outono inverno 2014 foi a Dolce & Gabbana. Bem, eles escolheram a ilha paradisíaca de Capri, na Itália para fazer a performance. As modelos e todos os convidados chegavam de barco ao restaurante mais famoso do lugar, o La Fontelina.

O Cenário. Fonte: Blog Moda It

O Cenário. Fonte: Blog Moda It

A modelos. Fonte: Moda It

A modelos. Fonte: Moda It

 

Bom, e o que há por trás de um desfile? Bem, há muita coisa em jogo: dinheiro, fama, publicidade, autonomia criativa, valores… (estes últimos mais subjetivos). O objetivo do evento é, também, expressar a pulsão criativa do estilista. Uma das referências no campo da espetacularização da moda é a curadora Ginger Gregg Duggn no livro ‘O Maior Espetáculo da Terra: os desfiles de Moda contemporâneos e sua relação com a arte performática’ (Fashion Theory, ed. Brasileira, vol. 1, número 2, 2002, pp. 3-30), ela fala sobre como a trilha sonora, as cores, as luzes, o espaço no qual a passarela é montada e a performance das modelos fazem com que, atualmente, os desfiles se assemelhem a peças de teatro.

site da pós-graduação em moda da Universidade Anhembi-Morumbi traz o exemplo da artista “Vanessa Beecroft, que já realizou performances com mulheres nuas ou vestindo apenas sapatos de salto alto e lingerie Gucci, como aconteceu no museu Guggenheim de Nova York em 1998 (Duggan 2002: 4). Outro exemplo é o trabalho polêmico do artista Matthew Barney, criador do ciclo Creamaster, apresentado em 5 partes e em diferentes cidades do mundo. No ciclo de número 3, Barney apresentou uma performance no museu Guggenheim de Nova York que foi filmada e é exibida em pequenas salas de exibição de museus pelo mundo afora. Esta seqüência foi apresentada, por exemplo, na Pinacoteca do estado de São Paulo no início de 2004. Em Cremaster 3, o artista usa aspectos da Moda como uso de roupas tradicionais, próteses transparentes e fantasias de coelhinhas (semelhantes às da Playboy) para tornar ainda mais evidente a transformação corporal como um componente marcante da sociedade de consumo.”

Segundo Cristiane Gruber e Sandra Rech, o desfile, entre todos os outros elementos da moda, tem a ideia de transmitir ao público consumidor o conceito da marca e do estilista. Apresentando as peças de forma lúdica, o desfile de moda busca despertar no expectador a identificação com “a filosofia” do criador e acima de tudo vender, porque a publicidade está em todos os aspectos: da roupa e maquiagem, aos convidados da primeira fila. Ainda de acordo com o artigo de Jociele Lampert, “a imagem de uma marca, por exemplo, constitui um cenário conceitual que atrai pelo desejo e pelas histórias que a elas são atribuídas.”.

A cada lançamento, os desfiles de moda precisam inovar para mostrar criatividade e manter a atenção do público àquela marca. Por exemplo, o estilista inglês Alexander McQueen apresentou, em 1999, a coleção de primavera em um armazém de transporte. Entre as modelos, uma desfilou com uma perna mecânica, devido a uma amputação que tinha sofrido.

ale3

 

Fonte: Revista Glamour 

Esperamos que tenham gostado da nossa jornada! Continuaremos com muito mais assuntos espetaculares para vocês!

Até a próxima!

Vai muito além do ciberativismo.

Tudo bem, pessoal?

Bem, ainda linkando com o nosso tema da semana Ciberativismo, encontramos no Facebook a página de Carol Rossetti, nela contem ilustrações sobre o assunto de uma forma divertida com uma forma de quebrar os tabus que a sociedade impõem sobre nós mulheres. Fizemos uma entrevista com ela via Facebook, da só uma olhada no que ela diz:

1. De onde vem a sua inspiração?

A inspiração para essa série sobre mulheres que venho desenhando vem do dia a dia, e do próprio fato de ser mulher. Algumas coisas acontecem comigo, outras com amigas, e outras situações ainda eu leio em relatos de pessoas aleatórias pela internet. E essas pequenas (ou grandes) opressões cotidianas são inúmeras, acho que essa série vai ser infinita… Todo dia as pessoas me mandam sugestões, e contam coisas que elas escutam por aí e acham chato.

Imagem

2. Como você ver o ativismo na internet hoje?

Eu acho que tem pontos muito positivo e outros muito negativos. Se por um lado é ótimo que a informação consiga se espalhar quase instantaneamente entre tantas pessoas, é complicado que os dados mal interpretados (ou interpretados desonestamente) também consigam fazer a cabeça de muitas pessoas com a mesma velocidade. Uma frase de efeito desonesta é compartilhada loucamente por pessoas que não checaram a veracidade da informação, e ainda assim formaram uma opinião.10169284_593247064128174_386461621752661412_n

Se é muito bom que abusos de tantas formas gravados em vídeo sejam denunciados para tantas pessoas, eu me pergunto se o pastor Feliciano teria chegado tão longe sem a fama impulsionada pelos compartilhamentos de todos os que o desaprovavam. Vejo isso hoje com minha página: várias pessoas compartilham meus posts, quase sempre elogiando ou reforçando o ponto. Mas de vez em quando tem um que compartilha xingando, tornando minha postagem (até então desconhecida) visível para seus 400 amigos. Talvez uma boa parte desses 400 pensem como ele, mas pode ser que 5 pessoas tenham concordado com o que eu afirmei, e o número de curtidas na minha página aumentou. Isso também acontece com felicianos e bolsonaros. De repente, eles se tornam mais conhecidos do que deviam, e se o número de pessoas que os odeiam aumenta, aumenta também o número de possíveis eleitores, e de repente o cara entra numa eleição para senador… Acho um pouco complicado prever esse efeito.

As redes sociais são ferramentas fantásticas, mas são novas, e a gente ainda está aprendendo a usá-las. Acho natural que a gente vá percebendo aos poucos o tamanho da responsabilidade que temos sobre o que compartilhamos com o mundo.

10259701_588164451303102_5397648678466043895_n

3. A mobilização das mulheres hoje em busca dos seus direitos está cada vez mais forte, como você acredita que essa busca pode se fortalecer a cada dia?

Acho que através do diálogo. Mulheres devem conversar com outras mulheres e desenvolver um sentimento de sororidade maior. Diminuir essa competição desenfreada que fomos estimuladas a alimentar desde pequenas. Ouvir o que outras mulheres tem a dizer. Rever nossos privilégios em relação a outras mulheres, e perceber o perigo da transfobia, do racismo, do ableísmo (que não sei bem como traduzir, mas envolve o preconceito com pessoas com deficiência), do elitismo etc. Acho que o diálogo das mulheres com os homens também deve acontecer, homens devem compreender o movimento além dos estereótipos e rever os privilégios. Nada disso é fácil, mas acredito que seja a melhor e mais eficaz maneira de fortalecer a busca por igualdade.

4.Para você o Facebook é uma ferramenta para o ciberativismo feminino?

Claro, sem dúvida. Não apenas o feminino, mas relativo a várias outras causas. Acho que temos que assumir de uma vez por todas que o que acontece na internet não deixa de ser real porque não acontece num plano físico. O virtual é real, porque causa impacto nas pessoas, informa e conscientiza tanto quanto um protesto na rua.

 

ImagemEm suas ilustrações ela define o que tem feito e o seu objetivo:

Essa série de ilustrações que tenho feito tem como tema principal as formas de controle que percebo ser exercido, de diversas formas, sobre o corpo e o comportamento das mulheres. Meu foco é mostrar as tantas maneiras sutis e cotidianas nas quais isso acontece, e que tantas vezes repetimos sem nos dar conta. Meu objetivo é chamar atenção exatamente para as pequenas opressões do dia à dia, e mostrar como são cruéis e sempre presentes. 

Pensei bastante se seria o caso de representar também os casos mais pesados de violência não apenas psicológica, como também física. E no final, cheguei a conclusão que sim. Embora as minhas postagens anteriores (e possivelmente a maior parte das futuras) tenham um conteúdo mais “leve”, acredito que a sociedade já falha o suficiente com a representação das pessoas. E representação é importante, e vou me esforçar para ser sempre abrangente. Não vou excluir os casos de trauma violentos que marcam diariamente a vida de tantas mulheres. Mulheres abusadas, violentadas, estupradas, todas devem ser representadas, sempre. Especialmente quando vejo tantos casos de culpabilização das vítimas. Aproveito o contexto da Marcha das Vadias para reforçar ainda mais essa discussão.

Para conhecer mais o trabalho da Carol Rossetti, dá um pulo no tumblr dela.

Coolhunting: caçando tendências

Segundo Carol Althaller, para ser uma boa Cool Hunting, precisa estar atento a tudo e a todos. “Diria que é preciso curiosidade, empatia e uma boa dose de intuição”, diz em uma entrevista do site da FARM. O que fazem afinal esses observadores das ruas? Tentam descobrir o que vai virar febre na moda analisando a sociedade atual e dão seus palpites em seus blogs. Alguns são contratados por lojas que usam suas pesquisas para lançar um novo produto ou coleção inteira!

Sua missão? Encontrar aquilo que é original e forte o suficiente para despertar a atenção das pessoas no futuro.

Imagem

(fonte)

Sabina Deweik disse em uma entrevista para INFO que o Cool Hunting é como se radiografasse a alma da cidade. A diferença entre uma pesquisa de mercado tradicional? “Você faz uma pesquisa da sociedade e não do mercado apenas. Os quatro “Ps” do marketing clássico (produto, preço, lugar e promoção, em inglês) estão se transformando nos quatro “Ps” do marketing relacional pessoas (people), lugares (places), planos culturais (plans) e projetos (projects)”, explica Sabrina.

Os caçadores, alem de frequentar eventos de moda, feiras e lojas, precisam estar sempre online. Usam muito o Twitter para ficar por dentro das ultimas novidades, lançamentos e acontecimentos em tempo real. Eles precisam saber o que as pessoas estão falando, qual é a opinião delas a respeito de tudo que pode virar moda. Alem disso, sempre andam com uma camera, um bloquinho de notas ou um smartphone que possa exercer as duas funções. Alem disso,  aplicativos como o Evernote para coletar as informações a serem analisadas! “A internet é uma ferramenta essencial nas pesquisas, porém não pode ser a única, pois as ruas sempre acabam revelando muito mais detalhes que ainda não foram desvendados”, diz Marina nessa entrevista.

Da rua, para as lojas! Não mais o contrário. É o paradoxo na moda nos dias de hoje. Em tempos em que a vida virtual não é mais distante da real, os Cool Hunting são grande prova disso. Os seus posts com hashtag #lookdodia são grande fonte de pesquisa para eles 😉

A produtora cultural Feijão de Corda, de Salvador, postou essa conversa com Carol do começo do post falando mais sobre a profissão. Dá uma olhada!

 

Confiram mais sobre o Cool Hunting em nosso post anterior. Clique aqui